O propósito da diversidade e a diversidade do propósito

Foto: VisualHunt

Marcas que transparecem engajar a qualidade de vida em diversas formas valorizam em 120% suas ações no mercado. Os Millennials dão mais valor àquelas empresas que expressam pontos de vista e defendem causas. Existem três fatores que destacam as empresas que conseguiram impulsionar seus negócios: primeiro, corporações que procuram não limitar seu propósito, mas sim promover transformações para realizá-los; segundo, fazer um paralelo entre esses propósitos e as aspirações atuais, onde os serviços além de gerar lucro, beneficiam o mundo; e por último, estimular o pensamento coletivo, promovendo a diversidade.

Mas não é preciso ser uma gigante global do mercado para fazer um propósito acontecer. O diretor criativo Gil Gershoni fundou uma agência em São Francisco, nos Estados Unidos, com um objetivo maior bem definido: estabelecer um novo significado para a dislexia, demonstrando na prática que, o que muitas vezes é considerado uma limitação, é na verdade uma super habilidade, e que a neurodiversidade tem um impacto positivo no design thinking. Google, Deloitte, Nike e Apple estão entre seus clientes.

Conheça mais no link do Meio&Mensagem: https://bit.ly/2GUl4l7