ORI EMPREENDEDORISMO

 

I – data de assinatura e identificação do instrumento de parceria e do órgão da administração pública responsável; 

Edital nº 001/2018

Eixo VII – Juventude em situação de vulnerabilidade social

Termo de Colaboração  nº 012/2019 que entre si celebram o Estado da Bahia, por intermédio da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte – SETRE e o Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS – OSC.

Assinatura em 20/08/2019 pelo Secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte – SETRE, Davidson de Magalhães Santos.

 

II – nome da Organização da Sociedade Civil e seu número de inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ da Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB; 

Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS – OSC

CNPJ: 03.474.086/0001-82

 

III – descrição do objeto da parceria; 

Pensado desde 2012, o Projeto ORI surgiu de uma inquietação do Instituto IRIS e do Prof. Hélio Santos em realizar uma ação com foco na formação e qualificação de jovens negros em gestores culturais permitindo, assim, a sua mobilidade econômica e social. Uma verdadeira política pública, o projeto é uma ação afirmativa que, ao mesmo tempo em que os alunos utilizam o conhecimento da sua história e da cultura regional para o empoderamento próprio, podem aprender a causar transformação nas instituições e comunidades das quais fazem parte. Em parceria com outras organizações sociais que trabalham com a causa racial, como o IBD – Instituto Brasileiro da Diversidade, o Instituto de Mídia Étnica, Fundação Baobá e Instituto Steve Biko, o Projeto tem como missão dar continuidade ao processo de formação iniciado em 2017 de negros e afrodescendentes baianos, através do Edital 04/2016 – Formação em Qualificação em Cultura 2016 pelo Governo do Estado da Bahia, Secretaria da Cultura. Em função do conhecimento adquirido sobre os aspectos históricos, técnicos, econômicos e políticos do mercado cultural na Bahia, o Projeto ORI – 2ª Edição visa transformar os 180 egressos em gestores culturais habilitados a potencializar a economia da Cultura Afrobaiana. Com o objetivo de criar um curso mais compacto e permitir uma maior infraestrutura de equipe nas cidades atendidas, na segunda edição o curso será executado em, no máximo, quatro meses. O curso será dividido entre aulas presenciais, workshops, palestras, criação de pitchs e Mostra Cultural de Projetos. Com a preocupação na regionalização e foco nas culturas locais, desejamos selecionar professores em todo o Estado para a realização da formação em Gestão Cultural nos três territórios da Bahia. Para acolher as ações, captaremos parcerias com Universidades Estaduais e Federais, além de escolas públicas estaduais. A execução das atividades será ativada através de uma rede de parceiros regionais, a exemplo de profissionais e instituições culturais, imprensa, secretarias municipais e prefeituras, de forma a alcançar o cumprimento dessa missão. Mediante a aquisição de conhecimentos teóricos, analíticos e práticos nas áreas de política cultural, gestão cultural e produção cultural, o desejo do projeto é incentivar os alunos do ORI a criarem e gerirem negócios culturais sustentáveis por toda a Bahia. Em cada cidade, o projeto irá ocorrer com carga horária de 144h, no mínimo. As aulas teóricas serão ministradas por facilitadores regionais com amplo conhecimento das disciplinas e das realidades locais, sendo divididas em oito módulos: 1. História da África (20h/total); 2. Políticas Públicas para a Cultura (20h/total); 3. Gestão da Cultura (20h /total); 4. Gestão de mídias e redes sociais (20h /total); 5. Economia da Cultura e Economia Criativa (20h /total); 6. Leis de Incentivo (20h /total); 7. Captação de Recursos e Gestão Orçamentária (20h /total); 8. Elaboração de Projetos Culturais (20h /total). Durante o projeto, os participantes vivenciarão quatro workshops coletivos de 4h/cada, com temas complementares aos módulos anteriores. Os temas propostos para os workshops podem ser modificados a partir da realidade de cada cidade. As temáticas sugeridas inicialmente são: • Ser Negro no Brasil (4h); • A Cultura como Direito (4h); • Marketing Cultural (4h); • Planejamento Estratégico (4h). A partir da rede de parceiros regionais em cada cidade, poderá haver atividades de campo programadas. Nelas, os jovens farão reconhecimento das organizações referências nos seus territórios, acompanhados de profissionais da área cultural de cada cidade, objetivando uma maior aproximação dos alunos com o mundo do trabalho. Como forma de auxiliar na confecção dos trabalhos de conclusão de curso, os alunos irão passar por oficinas de produção textual (16h/total) e o apresentarão em banca de conclusão para certificação. Para marcar a entrega dos certificados e formação dos alunos, haverá uma Mostra Cultural de Projetos. Nela poderemos contar com a presença de diversos representantes culturais da cidade, como apresentações artísticas, feira de artesanato, gastronomia local, dentre outras manifestações culturais. Ao final do curso serão emitidas declarações de participação com o total de 176 horas, sendo 144 horas de aulas, 16 horas de workshops e mais 16 horas de pitchs.

IV – valor total da parceria e valores liberados, quando for o caso;  

 

Valor total R$249.870,00

 

V – situação da prestação de contas da parceria, que deverá informar a data prevista para a sua apresentação, a data em que foi apresentada, o prazo para a sua análise e o resultado conclusivo. 

VI – quando vinculados à execução do objeto e pagos com recursos da parceria, o valor total da remuneração da equipe de trabalho, as funções que seus integrantes desempenham e a remuneração prevista para o respectivo exercício.


GARAPUÁ

 

I – data de assinatura e identificação do instrumento de parceria e do órgão da administração pública responsável; 

Edital de Chamamento Público nº. 001/2020

Finalidade da Seleção: PRESERVAÇÃO DAS MATRIZES IDENTITÁRIAS JAIME SODRÉ 2020

Termo de Fomento nº 50/2020 que entre si celebram o Estado da Bahia, através da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia e o Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS – OSC.

Assinado em 09/12/2020 pela Secretária de Cultura do Estado da Bahia, Arany Santana Neves Santos.

 

II – nome da Organização da Sociedade Civil e seu número de inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ da Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB; 

Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS – OSC

CNPJ: 03.474.086/0001-82

 

III – descrição do objeto da parceria; 

Garapuá existe como uma parte do paraíso natural pertencente ao litoral sul de  Morro de São Paulo, um outro destino recorrente dentro do turismo cultural do  estado da Bahia. Seu território só pode ser acessado por barco ou através de uma  estrada curta atravessando a Ilha de Tinharé. A praia consiste em uma enseada  cercada por um extenso coqueiral, delimitada por manguezais. Sendo o habitat de  uma pequena colônia de pescadores, a região ganha maior notoriedade durante o  verão, quando recebe visitas de um volume considerável de turistas. 

Entendendo a importância da preservação cultural e socioambiental de  comunidades ribeirinhas e resgatando o potencial existente entre seus habitantes, o  Projeto Origens de Garapuá surge com a proposta de capacitar, educar e orientar  profissionalmente essa população através de práticas sustentáveis de conservação  das origens identitárias e manutenção das atividades típicas de subsistência.  

Para distribuir as propostas de intervenção culturais que o projeto pretende  implementar na comunidade ribeirinha de Garapuá, classificamos estas em três  eixos: Representação Cultural (Eixo I), Referências Comunitárias (Eixo II) e  Sustentabilidade Ambiental (Eixo III). O Eixo de Ação I conta com as seguintes propostas: Construção e exibição de  documentário “Com Eles, Para Eles” com roda de conversa ao fim da mostra;  Produção e Divulgação da cartilha “História e Estrada de Garapuá: um guia da  gente, pra gente”; e Nomeação de ruas e travessas com personalidades locais,  assim como criação do Projeto Garapuá Resiste com Arte e Cultura. O Eixo de Ação II aborda as seguintes propostas: Criação do Programa de Mentoria  Histórico-Cultural Gratuito para professores locais; Criação do Festival Raízes  Identitárias de Garapuá, a fim de transformá-lo em evento fixo no calendário, além  de Prática com Horta Comunitária. Por fim, o Eixo de Ação III apresenta as seguintes propostas: Exibição audiovisual  com temática socioambiental, com debate; Oficina de Co-criação com participação  da comunidade; Edital de pequeno porte para premiação da intervenção mais criativa.

 

IV – valor total da parceria e valores liberados, quando for o caso; 

Valor total R$198.328,10

 

V – situação da prestação de contas da parceria, que deverá informar a data prevista para a sua apresentação, a data em que foi apresentada, o prazo para a sua análise e o resultado conclusivo. 

VI – quando vinculados à execução do objeto e pagos com recursos da parceria, o valor total da remuneração da equipe de trabalho, as funções que seus integrantes desempenham e a remuneração prevista para o respectivo exercício.

Relatório 2020

Breve Descritivo

O ano de 2020 foi marcado por grandes mudanças e estratégia do Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS, com a realização dos projetos de ponta, como alguns relacionados ao Shopping, participações nas reuniões do comitê gestor e na outorga do Selo da Diversidade Étnico Racial e execução de + de 15 projetos de Comunicação para o Desenvolvimento em 6 cidades do Brasil, mesmo em período de pandemia.

Relatório 2019

Breve Descritivo

O ano de 2019 foi marcado por alta produtividade do Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS, com a realização dos projetos de ponta, como alguns relacionados ao Shopping, participações nas reuniões do comitê gestor e na outorga do Selo da Diversidade Étnico Racial e execução de + de 30 projetos de Comunicação para o Desenvolvimento em 6 cidades do Brasil.

Relatório 2018

Breve Descritivo

O ano de 2018 foi marcado por alta produtividade do Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS, com a realização dos projetos de ponta, como alguns relacionados ao Shopping, participações nas reuniões do comitê gestor e na outorga do Selo da Diversidade Étnico Racial e execução de + de 30 projetos de Comunicação para o Desenvolvimento em 6 cidades do Brasil.

Relatório 2017

Apresentação

O ano de 2017 foi marcado por alta produtividade do Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS, com a realização do Projeto ORI, Projeto Café com Letras e Projeto Vila Canária, participações nas reuniões do comitê gestor e na outorga do Selo da Diversidade Étnico Racial e execução de 30 projetos de Comunicação para o Desenvolvimento em 6 cidades do Brasil.

Agradecemos aos nossos sempre parceiros e investidores, Shopping da Bahia, Boulveard Shopping Feira de Santana, Parque Shopping Maceió, Shopping Parangaba, Parque Shopping Belém, Boulevard Shopping Belém e Aliansce Shopping Center, por investir e acreditar no Instituto IRIS. Agradecemos ainda ao Esporte Clube Ypiranga, à Secretaria Municipal de Combate à Pobreza (Semps), à Braskem, Secretaria de Cultura do Estado da Bahia e Fundação Cultural do Estado da Bahia por nos ajudar a provocar a transformação social em Salvador.

 

Lila Lopes

Superintendente do Instituto IRIS

Relatório 2016

Apresentação

O ano de 2016 foi marcado por alta produtividade do Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS: com Investimento Social intenso junto ao Projeto Canarinho, Responsabilidade Social com capacitação continuada para seus profissionais e reunião de seu conselho deliberativo e em Advocacy com participações nas reuniões do comitê gestor e na outorga do Selo da Diversidade Étnico Racial.   Durante todo o ano foram elaborados e encaminhando diversos projetos nas áreas de recreação, esporte e cultura para gestões públicas e empresariais.

Agradecemos aos nossos sempre parceiros e investidores, Shopping da Bahia e Aliansce Shopping Center, por investir e acreditar há 16 anos no Instituto IRIS, ao Esporte Clube Ypiranga, à Petrobras e a Login Informática, por nos ajudar a provocar a transformação social em Salvador.

O Instituto focou a sua atuação durante o ano no Projeto Canarinho, parceria com a Petrobras e o Clube Ypiranga, que utiliza o esporte como promoção da educação, renovado até junho de 2016. Um projeto que beneficiou diretamente 509 crianças e adolescentes do bairro Vila Canária, em Salvador. Além das oficinas de recreação esportiva e de informática, foram desenvolvidas diversas ações, como palestras, eventos festivos, visitas externas, e campanhas de conscientização para inclusão e reciclagem. Tornando-o mais que um Projeto, um Programa que envolve uma série de ações voltadas para a garantia do Direito da Criança e Adolescente.

Além de implementar o Projeto Canarinho, o Instituto IRIS elaborou e apresentou 15 projetos junto a Secretarias do Estado (SUDESB), Municipais (SEMPS, SEDES, SEMGE, SMED) e Universidades (FEA), bem como participou de editais da Funceb e Petrobras. Dois destes projetos foram aprovados pelo FazCultura (ORI e Café com Letras) e foram apresentados a parceiros como a Braskem. Existem quatro projetos em negociação e em fase de fechamento de parceria para beneficiar entorno de 700 crianças, adolescentes e jovens e adultos afrodescendentes da cidade de Salvador.

Estamos certos que 2016 será frondoso e de colheita para esse trabalho de transformação social realizado pelo IRIS há 16 anos e que beneficia e prepara o futuro de tantas crianças e adolescente. Sabemos que podemos mais e estamos preparados para isso! #Junteseanós#Juntosfaremosmais!

Izabel Portela

Superintendente do Instituto IRIS